Hugo Otto, percussionista, vox

É um cantor / compositor e percussionista nascido no Reino Unido e criado em Portugal e no Brasil, de mãe moçambicana e pai biológico da Irlanda tornou-se multicultural desde tenra idade.
Aos 8 anos, Hugo Otto começou a explorar Rythm com Djembe / Darabuca / Birimbau e, aos 11 escreveu o seu primeiro poema de rap com um conteúdo lírico e crítico surpreendentemente forte.
Aos 14 anos com a mãe e a irmã, Hugo emigrou para o Brasil, onde começou a tocar percussão e cantar, na sua primeira banda de reggae: Gunjah Reggae, começou também a tocar na sua primeira Batucada: Circulo de Tambores Ufpb, onde aprendeu ritmos brasileiros tradicionais e modernos. 

Aos 17 anos, com a família emigra novamente, desta vez para Londres em busca de trabalho e novas oportunidades musicais. No ano e meio em que ficou em Londres tocou com vários artistas de diferentes origens, foi percussionista residente no Troy Bar (jazz / soul bar na Old Street) e todas as semanas tocava com o reconhecido baixista de Jazz Fusion, Rick James, e muitos outros. Como percussionista e back vocal da cantora e compositora popular Rebeca Hope, gravou e publicou o primeiro demo de reggae: Cold Winter e Nature Calling, novamente com um conteúdo lírico forte e apresentando ao público pela primeira vez em 2008 a sua voz como cantor de reggae. 

Depois de trabalhar e tocar em Londres por algum tempo, este jovem músico decidiu viajar para a Índia por 6 meses e acabou por ficar dois anos a estudar Música, Permacultura e Yoga.
Neste tempo na Índia, aprendeu Song, Rhythm e Meaning, não apenas da Wise Nature e experiência social desse país e cultura intensos, mas também de inúmeros viajantes de todo o mundo. Depois de passar tanto tempo na Índia, teve que procurar trabalho novamente, voltou a Londres com a missão de economizar dinheiro para viajar para África Ocidental para aprofundar o seu conhecimento de Djembe. 

Renato Oliveira, didgeridoo

“O meu percurso é mais marcado pela música de raiz tradicional com o didgeridoo a pautar as minhas criações. Mas, para além de gostar de tocar instrumentos que são comuns nesse meio, também cresci numa época em que a música electrónica influencia a minha cultura. Não fui capaz de resistir e cedi à tentação de fundir estes dois estilos, considerados opostos por muitos.”

 

"Oliver" nasceu no porto em 1978.

Frequentou workshops de didgeridoo em vários países da europa, teve aulas de sitar na India, aulas de Percussão Africana e Candombé do Uruguai e frequentou o curso de formação musical da Academia de Lisboa, e fez uma Formação de formadores animação socio cultural na casa da Musica.
Frequentou o curso de Economia mas optou por finalizar a especialização em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Lusiada Porto. Trabalhou na Sonae Industria mas optou por se dedicar exclusivamente á musica.
Integrou diversos Projectos Musicais, sobretudo na musica designada de “ raiz tradicional “, das quais se destacam Retimbrar, OliveTreeDance, Roots Caravan, Stopestra, Drop Etnica, Till Sunday Pirate e de cariz  mais electrónico os projectos Psayagata e Magnetic Voodoo.
Em palco, já acompanhou artistas como Blasted Mechanism, Manel Cruz, Antonio Paes, Tim Steiner, Rui Junior, Pancho, António Serginho, Márcio Pinto, Hugo Danin, Pedro Vasconcelos, Zé Puto e  Tito Silva e Rita Maria, todos grandes mentores nas suas areas.

Pedro Leal, Bateria

Pedro Leal nasceu em 1991 e é natural de Viseu. Cedo se interessou por música e começou a tocar bateria aos 6 anos, por influência do pai e teve aulas com o baterista Vicky Marques, que foi o seu único professor de bateria.

O seu interesse por música continuou a desenvolver-se e aos 15 anos mudou-se para Espinho, onde iniciou os seus estudos de música clássica na Escola Profissional de Música de Espinho. 

Rapidamente se interessou especificamente por outro instrumento de percussão - a Marimba, apesar de ter estudado outros instrumentos de percussão, como o Vibrafone.

Depois do ensino profissional seguiu para o ensino superior, onde aprofundou o seu conhecimento por música clássica na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo - ESMAE, no Porto. Durante esse período viajou por e viveu em Inglaterra, Holanda e Alemanha, onde teve aulas particulares com os principais professores das principais universidades. (****dá exemplos se puderes****)

Aos 25 anos terminou os seus estudos e depois disso, por falta de mercado e por questões de logística, decidiu acompanhar os instrumentos que o acompanharam durante 10 anos e, após 15 anos, voltou a tocar bateria.

Foi ao conhecer Renato Oliveira aka Oliver (Olive Tree Dance, Till Sunday Pirate, Psayagata), com quem teve uma óptima conexão músical que após um convite do mesmo, tornou-se membro da conhecida banda Olive Tree Dance, como baterista, onde já tocou em vários eventos e festivais em Portugal e internacionais como Pilsen Busking Fest na República Checa, MyCom Festival e Taurus Connection Festival em Itália, Tribal Elek em França e Fatt Festival em Portugal.

© 2020 by NGR

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now